Educação

Dicas para melhorar a participação da família na vida escolar

Família e escola são duas instituições essenciais e com papéis e responsabilidades na formação de um indivíduo. De um lado, mães e pais. Do outro, os professores, a coordenação, a direção, o secretariado. É possível (e até desejável) construir pontes entre as duas pontas, pois esses vínculos auxiliam o desenvolvimento saudável do aluno, em termos cognitivos, comportamentais, sociais e emocionais. Para além do levar e buscar na escola e conferir se a lição de casa foi feita, listamos aqui 5 dicas de como melhorar a participação da família na vida escolar:

1. Comunique-se com a escola

O primeiro passo em qualquer relação bem-sucedida é estabelecer uma boa comunicação. O melhor canal para isso depende de cada instituição: pode ser pelo whatsapp, e-mail, telefone ou até aquele caderninho de recados. A escola está nas redes sociais? Acompanhe suas publicações, engaje as postagens, faça comentários, permita-se vivenciar um pouco do dia a dia dos alunos na escola. 

Para além do meio, é preciso atentar-se também ao conteúdo dessa comunicação: sendo transparente com eventuais ausências, por exemplo, para que a escola possa entender e encontrar alternativas, perguntando sobre o projeto político pedagógico da instituição e os trabalhos desenvolvidos ao longo do ano. 

2. Participe das reuniões

Sejamos sinceros: muitas vezes, ao sermos convocados para uma reunião, reviramos os olhos acreditando que será um bate-papo pouco produtivo. No entanto, uma nota não dá conta da complexidade humana e é justamente nas reuniões escolares que ocorre a possibilidade de acompanhar mais de perto o desempenho dos alunos e entender seus comportamentos. Elas são o espaço da conversa, das trocas, dos questionamentos. 

Como os encontros são periódicos e precisam ser agendados com antecedência, programe-se para estar presente e assim tirar dúvidas, compartilhar e conhecer melhor professores e coordenadores. Quando os pais acompanham o desenvolvimento pedagógico dos filhos, se interessam pelos conteúdos, conversam sobre habilidades e dificuldades, eles são atraídos para o ambiente escolar e estimulam os filhos a valorizarem cada vez mais esse espaço.

3. Frequente eventos escolares 

Festas juninas, feiras de ciências ou de livros, exposições, apresentações. Ao longo do ano, as instituições escolares criam uma série de eventos em que a participação da família é bem-vinda. Leve esses compromissos a sério: coloque na agenda e se programe para estar presente. 

Isso conta e representa muito para as crianças e adolescentes: é sinônimo de afeto, de validação e uma forma de incentivar os filhos a reconhecerem a importância da escola, terem vontade de estar presentes e evoluir academicamente. É também uma oportunidade de conhecer e trocar com outras famílias, além de falar com professores e profissionais da escola de maneira mais informal.

4. Envolva-se na lição de casa 

Até aqui falamos de formas de participar da vida escolar no próprio ambiente da instituição, afinal de contas é importante ocupar e se apropriar do lugar em que os filhos passam a maior parte do dia, além de conhecer a equipe pedagógica.

Agora chegou o momento de pensar como o ambiente domiciliar pode fazer parte dessa estratégia e tudo começa na lição de casa. Estar a par dos deveres é uma excelente maneira de se envolver. Você não deve apenas conferir se a atividade foi feita: em vez de fazer uma simples checagem, que tal se interessar, perguntar sobre o conteúdo e até mesmo ajudar a realizar uma pesquisa caso surja alguma dúvida? É importante mostrar que o saber é uma construção compartilhada. 

No belo documentário francês Ser e ter, de Nicolas Philibert (que, aliás, recomendamos), acompanhamos o dia a dia de uma escola primária de uma pequena comunidade francesa, em que um dedicado professor ensina uma sala com crianças de 4 a 12 anos. Em uma das cenas do filme, vemos um aluno fazendo o dever de matemática cercado de pessoas da família, que participam ativamente deste momento. Como nos ensina o célebre provérbio africano, “é preciso uma aldeia inteira para educar uma criança”. 

5. Defina um local e um momento para os estudos

O momento dos estudos deve ter seu espaço definido na casa, tanto em termos temporais quanto físicos. Assim, a primeira dica é encontrar o ambiente adequado. Convide os filhos a escolherem esse espaço e participarem da decisão. Certifique-se de que o lugar é silencioso e bem iluminado. E se vocês criassem uma decoração para tornar o ambiente ainda mais agradável?

Outra ideia é determinar um horário fixo para as tarefas, pois isso ajuda a desenvolver disciplina e comprometimento. Claro que pode acontecer de um dia uma lição ser feita na cozinha antes do jantar, ou na sala com a televisão ligada, afinal a vida não pode ser totalmente controlada, mas ter algumas regras faz com que essas circunstâncias sejam apenas a exceção. 

Família e escola: um trabalho conjunto

Aprender e se desenvolver não é um ato solitário. O outro é essencial para interagir, trocar experiências e saberes, de modo a motivar e educar. A aprendizagem se dá em um contexto social e por isso a atuação familiar é tão importante na vida escolar. 

Estar presente não apenas nas reuniões, nos eventos ou quando é convocado. É preciso criar um diálogo amigável entre as partes e estar verdadeiramente envolvido para que haja esse sentimento de cooperação e co-responsabilidade. Leia mais sobre os benefícios que a presença familiar pode trazer para o desempenho do estudante neste artigo da doutora em Economia e pesquisadora Janaína Feijó.